Senna, o maior da história

Ao menos é isso que foi apurado em uma votação realizada entre 217 pilotos e ex-pilotos de Fórmula 1 pela revista inglesa Autosport, que elegeu os 76 melhores pilotos da história e foi publicada no mini-site The Greatest Drivers.

The greatest ever...

Não, não eram quaisquer 217 pilotos – somados, eles dividem 9194 Grandes Prêmios e 270 vitórias (interessante é que um terço desse total pertence a uma pessoa…) – mas, infelizmente, a lista apresenta, principalmente em suas posições mais baixas, claras tendencias nacionalistas e votos-piada.

Considerando que o critério utilizado era que cada piloto iria eleger seus 10 preferidos e julgá-los com as notas 10-9-8-7-6-5-4-3-2-1, sendo proibido um ‘eleitor’ dar a mesma nota para dois pilotos diferentes, apenas alguma meia duzia de décimas posições colocaria um piloto x entre os “76 melhores”.

E se os japoneses que votaram combinaram todos de votar em seus companheiros, mesmo que seja no finzinho da lista, apenas para fazer pontos? Pois não parece uma suposição absurda quando se percebe que Kazuki Nakajima ficou empatado com vários outros pilotos em 76º e que Aguri Suzuki ficou em 63º.

A ausência de Rubens Barrichello, vencedor de 11 Grandes Prêmios e duas vezes vice-campeão mundial, é inaceitável, ainda mais se considerarmos quem entrou na lista…

Abaixo, a lista e seus devidos comentários:

76=: Peter Collins, Luigi Villoresi, Mark Webber, Mike Hailwood, Pedro Rodriguez, Eddie Irvine, Andrea De Cesaris e Kazuki Nakajima. (Quem colocaria Kazuki no mesmo patamar de Webber?! E pra piorar, na frente do Rubens?!)
75: Pedro Lamy (Pra piorar mais ainda, quem colocaria Pedro Lamy na frente dos acima mencionados?!!)
74: Vitantonio Liuzzi (Não deveria estar na lista)
73: Harry Schell
72: Stefano Modena
71: Carlos Pace
70: Wolfgang von Trips (Aquele que só não foi campeão mundial em 1961 por que morreu em um acidente do qual não teve culpa, atrás de Johnny Herbert…?)
69: Maurice Trintignant
68: Hans Herrmann
67: Derek Warwick
66: Johnny Herbert (no máximo o 100º melhor da história)
65: Jean-Pierre Beltoise
64: Chris Amon
63: Aguri Suzuki (Sem dúvida, voto combinado entre os japoneses)
62: Denny Hulme
61: Bruce McLaren
60: Tom Pryce
59: Felipe Massa (Parece desproporcional que o homem que brigou com Lewis e Kimi por dois anos esteja tão atrás deles na lista)
58: Jo Siffert
57: Alex Zanardi (Boa carreira na ChampCar, mas nunca fez nada na F1)
56: Tony Maggs
55: Henri Pescarolo (Quem?!)
54: Mike Hawthorn
53: Elio De Angelis
52: Tony Brooks
51: Juan Pablo Montoya
50: Michele Alboreto
49: Jacques Laffite
48: Lorenzo Bandini
47: Jody Scheckter (Jody Scheckter em 47º e Gilles Villeneuve em 10º não faz o mínimo sentido)
46: Piero Taruffi (Novamente, quem?!)
45: Damon Hill (Está certo que 90% da performance de Damon era devido ao seus carros, mas 45º está baixo demais)
44: Didier Pironi
43: Robert Kubica (Na frente do Felipe Massa?! Por qual motivo? Kubica tem potêncial, mas ainda é muito novo para ser um dos “melhores da história”)
42: Jean Alesi
41: Jacques Villeneuve
40: Jacky Ickx
39: Riccardo Patrese (Patrese em 39º, Barrichello fora da lista – não há lógica)
38: Jean Behra
37: Gerhard Berger (Igualmente, não foi melhor que Barrichello)
36: Clay Regazzoni
35: Stefan Bellof (Pode um piloto com 20 GPs e tendo na quarta posição seu melhor resultado ser classificado com 35º melhor da história?)
34: Carlos Reutemann
33: Phil Hill
32: Giuseppe Farina
31: Alan Jones
30: Jenson Button (Oh, hype pós-título!)
29: Francois Cervert
28: Dan Gurney
27: José Froilan Gonzalez
26: Sebastian Vettel (Vettel tem todos os motivos para não estar nesta posição, sem contar que sua diminuta carreira ainda é impassível de classificação. Daqui a 10 anos poderemos jugá-lo, quem sabe até mais alto que 26º)
25: Keke Rosberg
24: James Hunt
23: John Surtees
22: Kimi Raikkonen (Kimi atrás de Mario Andretti?!)
21: Graham Hill (Hill atrás de Mario Andretti?! Duas vezes campão mundial, vencedor da Indy 500 e das 24 Horas de Le Mans – esqueceram-se disso?)
20: Mario Andretti (Andretti na frente de Räikkönen e Hill?! Parece que se esqueceram que ele ganhou seu título no Lotus 79, o primeiro “carro-asa” da história – logo, anos-luz à frente da competição)
19: Ronnie Petterson
18: Jack Brabham
17: Lewis Hamilton (Muito, mas muito “over-rated”. 35º no máximo para quem está no início de carreira)
16: Alberto Ascari
15: Mika Hakkinen
14: Jochen Rindt
13: Nelson Piquet (Deveria estar, na mina opinião, a frente dos quatro seguintes)
12: Emerson Fittipaldi (Emmo também foi muito melhor que Gilles Villeneuve)
11: Nigel Mansell
10: Gilles Villeneuve (Um louco lutador e sem medo, certamente um “cult-hero” da F1, mas não deveria estar entre os 10 melhores)
9: Fernando Alonso (deveria estar uma posição atrás, cedendo lugar ao Piquet)
8: Sir Stirling Moss
7: Niki Lauda
6: Sir Jackie Stewart
5: Jim Clark
4: Alain Prost
3: Juan Manuel Fangio
2: Michael Schumacher
1: Ayrton Senna

As oito primeiras posições foram muito bem escolhidas, mas de lá para trás, o “bias” correu solto. A Autosport é uma revista muito conceituada e sua proposta de votação foi inovadora, mas deveriam ter estabelecido um critério, como de que apenas pilotos com no mínimo uma vitória na carreira poderiam ser eleitos – isso certamente tornaria a lista mais aceitável.

É isso que acontece quando se tem muita liberdade de interpretação, ainda mais quando o assunto é “o melhor de todos os tempos”…

Grand Prix no Brasil: fechado temporariamente

Parece até piada um blog que mal tem cinco meses de vida estar fechando, mas é verdade. Ao contrário da Toyota, eu não vou por a culpa na crise mundial, mas sim por eu não poder mais assumir o compromisso de atualizar este espaço.

Na verdade, creio que eu não deveria nem ter começado com este pequeno hobby, pois já sabia que esse momento chegaria, mais cedo ou mais tarde. Afinal, o que me leva a fazer isso é um acontecimento inevitável: o concurso vestibular.

Faltam menos de dois meses e meio para a prova, então tenho que me dedicar full-time se quiser ter esperança de entrar no curso que quero: engenharia civil.

Gostaria, então, de agradecer a todos que visitaram, comentaram e apoiaram o Grand Prix no Brasil, e esperem por mim devolta aqui no dia 14 de janeiro de 2010, onde, dependendo das circunstâncias, direi se este blog voltará à vida ou se será enterrado definitivamente.

Um sincero abraço a vocês, meus leitores.

CategoriasMisc

Entrevista com Matheus Ribas

Como prometido ao final do post sobre as estatísticas pós-GP de Abu Dhabi, trago a vocês uma pequena entrevista que fiz com o amigo e blogueiro Matheus Ribas, jornalista de formação e convicção.

Matheus não é um típico fã de Fórmula 1 – não acompanha o esporte diariamente, e nem se interessa, pelo jeito. Sua paixão é mesmo a preferência nacional: o futebol. Então aproveitei a oportunidade que tive de entrevistar alguém que não é um seguidor da F1… fazendo-lhe perguntas sobre Fórmula 1!

Mas não só ele aceitou meu desafio, como também resolveu me entrevistar. Minhas respostas logo estarão no blog dele, onde vocês poderão me ver falando um pouco sobre F1, futebol e sobre o Grand Prix no Brasil.

Espero que gostem dessa pequena – e divertida – experiência, que foi tão válida que talvez, um dia, eu dê continuidade a ela.

E se você gosta de futebol, não deixe de visitar o blog dele, obviamente.

Então, que comecem as perguntas!

 

Q: Você é uma pessoa que não assiste Fórmula 1, certo?
Matheus Ribas:
Eu não assisto a todas as corridas. Mas de vez em quando dou uma olhada sim. Antes do acidente fatal do Senna, eu não perdia uma. Tinha 14 anos na época.

Q: Como fã e crítico de futebol, como você enxerga o automobilismo?
MR:
O automobilismo tem grande importância para a questão tecnológica. Equipes se preparam muito para conseguir fazer tudo muito bem e rápido. Muito do que é usado hoje nas questões modernas e tecnológicas, acredito que se deva a Fórmula 1. Não estou dizendo que os carros de hoje são inspirados em carros de Fórmula 1, mas com certeza muita coisa é aproveitado. Vejo também a maior graça na largada e na chegada, pois se torcemos por um piloto e no meio da corrida algo de errado acontece com ele, ficamos a espera do fim sem torcer mais para ninguém. E muitas vezes, são injustiçados.

Q: Você acha que, atribuindo um grau de importância, o futebol se sobressairia à Fórmula 1?
MR:
Acredito que o futebol tem um grau de importância com mais destaque na mídia e como ele começou a existir antes de muitos outros esportes, ele se sobressai sim. Ainda mais num país do futebol, como o nosso é reconhecido.

Q: O Brasil é um país de torcedores ufanistas, em todos os esportes. Na Fórmula 1, após a morte do Senna, muitos perderam o interesse ou acabaram por esperar de Rubens Barrichello vitórias que eram simplesmente impossíveis de conquistar. O que você acha desse ufanismo tanto na F1 quanto no futebol?
MR:
Eu sempre fui um fã do Ayrton. Nunca esqueço as narrações com toda a emoção em suas vitórias nos domingos pela manhã. Acontece que o brasileiro é um povo que muitas vezes, carente de ídolos, escolhe e se identifica com alguém (jogadores, pilotos, artistas, etc…) e não quer que nada de errado aconteça ou não quer se decepcionar com o escolhido. No caso de Senna na F1, quando acontece um acidente trágico como o dele, é normal as pessoas quererem preencher aquilo que elas estavam acostumadas com ídolo que enchiam elas de alegria. Há uma transferência errada, mas automática, de “responsabilidade”. Só que ninguém é igual a ninguém. Cada um tem a sua história.

Q: Muitos ainda discutem se a Fórmula 1 é ou não um esporte. E você, qual sua opinião?
MR:
Essa questão é polêmica. Antes, pensava que não tinha nada de esporte. Hoje, estou convencido que se trata de um esporte, mas sem um contato físico e com muito trabalho mecânico. Entendia que quem fazia o maior esforço era a máquina. Mas quando houve o acidente com o Felipe Massa (este ano com a mola que soltou do carro de Rubinho e o atingiu na cabeça) percebi que Schumacher não conseguiu voltar para substituí-lo em função de problemas físicos e aí pensei: opa, se o cara tem dor e não está totalmente em condições físicas, não como mais pensar que o esforço é só da máquina. Portanto, é um esporte sim. Mas não me chama mais tanta atenção como na época dos duelos de Ayrton Senna e Alain Prost e com o Nigel Mansell.

Q: Ayrton Senna, Rubens Barrichello e Felipe Massa. Três importantes pilotos brasileiros que com certeza você conhece bem. Dê-nos sua opinião sobre eles.
MR:
Ayrton é um ídolo de uma geração que estava acostumada a não ganhar nada de importante a nível nacional. Talvez antes dele, somente o Pelé. Imagina que o Senna foi campeão no final da década de 80 e fazia quase 20 anos que o Brasil tinha ganhado a última Copa (70). Não que o futebol seja o essencial para se contemplar ídolos, mas outros esportes não tinham grande proporção e a F1 na época do Piquet não era tão valorizada pelo brasileiro. Realmente o Senna, sei lá, por questões de estrela talvez, chamou a atenção de todos naquela época e conseguiu fazer com que mais gente começasse a acompanhar F1. O Piquet talvez por seu comportamento polêmico não conseguiu atingir o que Senna atingiu.

O Rubinho é um cara batalhador e com certeza conta com um grande talento. Mas nem sempre contou com boas equipes e quando contou (exemplo da Ferrari) era segundo piloto. Esse ano, numa equipe que era promessa, quase foi campeão. Acredito que falte um pouco de sorte também. Mas uma hora ele vai conseguir, pode ter certeza.

O Massa demonstrou que é bom piloto e por azar dele e sorte do Hamilton, ele não foi campeão o ano passado. Esse ano foi prejudicado, mas ano que vem ele vai dar trabalho para os outros pilotos. Ele o Rubinho.

Q: Por fim, sobre teu blog. Qual a proposta dele? O que te levou a criar ele? E onde você busca inspiração? Já obteve algum reconhecimento jornalístico com teu blog?
MR:
A proposta é discutir assuntos relacionados ao futebol. Dupla Grenal em essencial. Mas por vezes tenho que ser versátil, e daí entram assuntos que fazem parte do nosso cotidiano, dica de filme, música, enfim, temas no geral os quais sinto a necessidade de falar, opinar e claro, ouvir a opinião das pessoas. Criei em 2007 numa aula de Jornalismo Online e a partir daí percebi que esse era um canal de muita importância para quem quer trabalhar ou quem trabalha com a Comunicação Social. Digamos que ele seja além de um fórum, um portfólio.

Inspiração para os textos eu busco nada mais daquilo que eu vejo, penso ou sinto e tenho que falar. Como não falar nada a respeito de uma Copa, uma conquista inédita, um crime “sem perdão”, enfim, algo que está presente em nossa realidade? Eu não consigo! Posso demorar um pouco para atualizar, mas em seguida lá estou eu.

Quanto ao reconhecimento, acredito que já. Esses dias, assisti a uma entrevista do Dunga e a foto que eu fiz dele falando, o Nando Gross (comentarista de futebol da Rádio Gaúcha) a utilizou. Logo que encontrei o Nando, fui elogiado pelo texto e pela foto. Mais acredito que o maior reconhecimento é das pessoas que acessam todo o dia e dos comentários recebidos.

CategoriasMisc Tags:, ,

Sayounara

Dizem que dinheiro não compra amor… e pelo jeito também não compra vitórias na Fórmula 1. Ontem, em Tokyo (ou Tóquio, como preferirem), outra gigante da indústria automobilística, a Toyota, anunciou que terminará seus investimentos na categoria, com efeito imediato, se tornando a quarta mega-empresa a deixar o esporte em menos de 1 ano. Coincidência ou não, três delas são japonesas.

Toyota

Toyota: muito dinheiro e resultados aquém do esperado

Já não era segredo – o time ameaçava abandonar o barco há pelo menos uns três anos – e sinais deste destino não foram poucos: anuncio do primeiro balanço negativo no ano passado, indefinição dos pilotos para 2010, rescisão do contrato de fornecimento de motores com a Williams, nenhuma noticia sobre o “TF110″, resultados fracos comparados aos objetivos traçados para este anos.

Em oito anos na categoria máxima, a equipe foi a que mais gastou, seguramente ultrapassando a marca dos 3 bilhões de dólares. E se traçarmos um paralelo com os resultados obtidos, veremos que a equipe nipônica fez um trabalho vergonhoso, indigno do orçamento que tinha. Foram 139 GPs disputados, nenhuma vitória, 3 pole-positions, 278.5 pontos, 13 pódios, 3 voltas mais rápidas e insignificantes 66 voltas na liderança, tendo o melhor resultado nos construtores o 4º lugar em 2005.

Como desculpa, eles deram a mais óbvia: a perdas causadas pela crise mundial, mas será só isso?

Os resultados foram ruins. Demorou até 2005 para que a equipe ameaçasse disputar por uma vitória, quando conseguiu 3 pódios nas 3 primeiras corridas, mas a velocidade de desenvolvimento do carro era pequena, e isso significou que a Renault e a McLaren puderam disparar no campeonato. Quando a Honda assumiu a BAR em 2006, ficou ainda pior. Herdando um pouco da boa performance do time ao qual fornecia motores, e tendo em Rubens Barrichello e Jenson Button uma dupla de pilotos muito mais forte que Jarno Trulli e Ralf Schumacher, a Honda dominou sua concorrente do ramo automobilístico.

Talvez o que mantinha a Toyota na Fórmula 1 era o marketing que trazia a disputa com a rival. Mas com a saída da equipe ao final de 2008, sobrou para a Toyota disputar contra quem? Entre os dois maiores mercados da montadora (Estados Unidos e Japão), não havia nenhuma outra equipe. Competir contra BMW e Renault não trazia a mesma imagem, e mesmo assim não foram capazes de batê-los.

Mas montadoras vêm e vão de acordo com a vontade (e a profundidade dos bolsos) de seus dirigentes. Se a empresa estiver em uma boa época de vendas, ela vai precisar da Fórmula 1 para promover sua marca e aprimorar suas plataformas. Foi assim com a Mercedes, BMW, Renault e Honda, logo não seria uma surpresa ver a Toyota novamente na Fórmula 1… com um orçamento monstruoso, é claro.

Então, deveria o “sayounara” ser substituído por abayo?

GP de Abu Dhabi – Estatísticas

Red Bull: final de temporada perfeito

Red Bull: final de temporada perfeito

A temporada acabou, então nada mais apropriado do que fazer uma atualização dos números da categoria. Com qual piloto a carreira de Lewis Hamilton coincide? Quantos pilotos japoneses já marcaram pontos na Fórmula 1? E quais outros Grandes Prêmios não foram realizados sob o nome de seu país?
Leia mais e descubra…

GP de Abu Dhabi – Corrida? Que corrida?

O post vem com um atraso de dois dias, mas não faz mal – a demora é só para seguir no (lento) ritmo da corrida em Yas Marina.

Vettel: quinta vitória na carreira

Vettel: quinta vitória na carreira

Na verdade eu mal vi o “desfile”. Tinha ido ao centro da cidade buscar minha namorada às 10h30min. Demos sorte com o ônibus, mas minha casa fica a longínquos 35 minutos do centro. Resultado: perdi as duas primeiras voltas.

Perguntei a ela se ela queria mesmo assistir àquilo – eu sei que ela não acha interessante -, e ela disse que sim. Admiro a benevolência dela em se dispor a me acompanhar durante 1 hora e 40 minutos, vendo “carros dando voltas em uma pista”, como ela diz. Geralmente discordo dessa afirmação – “não são voltas, são corridas!” – mas dessa vez não tinha como discordar… foram apenas voltas.

Entre uma conversa e outra, uma olhada para a TV… e nada de interessante. Me voltava a ela, conversava mais um pouco, perdia umas duas voltas em um beijo, e olhava para a TV de novo… nada de interessante. Apenas Vettel se aproximava de Hamilton com o passar das voltas, indicando uma possível ultrapassagem nos boxes.

Parei para explicar a situação a ela, detalhe por detalhe, e por que Sebastian poderia sair na frente de Lewis, mas antes que tudo pudesse se comprovar, Whitmarsh manda Hamilton recolher seu carro para a garagem, com problemas nos freios.

- Feitooo! – eu disse.
- Pára de gritar no meu ouvido! – foi a resposta que tive. E voltei minha atenção a ela…

Eis que surge meu gato, chamando nossa atenção. Pulou no nosso colo, se contorceu, implorou por um cafuné. Era tudo o que eu precisava para não prestar atenção em mais nada do que acontecia em Yas Marina.

Esporadicamente, ouvia os berros de nosso locutor à mínima ação que acontecia em pista: Kobayashi realizando uma bela ultrapassagem em Button, mostrando a quê veio à Fórmula 1, e o pequeno duelo entre Webber e o campeão mundial – que foi absurdamente exaltado por Galvão Bueno, talvez até com um pouco de razão, considerando que a prova teve apenas três ultrapassagens…

E a isso se resumiu o GP de Abu Dhabi aos meus olhos: entre um cafuné e outro, uma conversa aleatória e outra, um beijo e outro, eu vi um arremedo de corrida em um lindo, imenso e chique kartódromo.

No fim a gente até esquece que o Vettel ganhou mais uma…

Resultado final:

Piloto Equipe Tempo
Sebastian Vettel Red Bull Renault 1:34:03.414
Mark Webber Red Bull Renault (+)17.8
Jenson Button Brawn Mercedes (+)18.4
Rubens Barrichello Brawn Mercedes (+)22.7
Nick Heidfeld BMW Sauber (+)26.2
Kamui Kobayashi Toyota (+)28.3
Jarno Trulli Toyota (+)34.3
Sebastien Buemi STR Ferrari (+)41.2
Nico Rosberg Williams Toyota (+)45.9
10º Robert Kubica BMW Sauber (+)48.1
11º Heikki Kovalainen McLaren Mercedes (+)52.7
12º Kimi Räikkönen Ferrari (+)54.3
13º Kazuki Nakajima Williams Toyota (+)59.8
14º Fernando Alonso Renault (+)69.6
15º Vitantonio Luizzi Force India Mercedes (+)94.4
16º Giancarlo Fisichella Ferrari (+)1 Lap
17º Adrian Sutil Force India Mercedes (+)1 Lap
18º Romain Grosjean Renault (+)1 Lap
19º Lewis Hamilton McLaren Mercedes Out
20º Jaime Alguersuari STR Ferrari Out
Piloto Equipe Tempo
Sebastian Vettel Red Bull Renault 1:34:03.414
Mark Webber Red Bull Renault (+)17.8
Jenson Button Brawn Mercedes (+)18.4
Rubens Barrichello Brawn Mercedes (+)22.7
Nick Heidfeld BMW Sauber (+)26.2
Kamui Kobayashi Toyota (+)28.3
Jarno Trulli Toyota (+)34.3
Sebastien Buemi STR Ferrari (+)41.2
Nico Rosberg Williams Toyota (+)45.9
10º Robert Kubica BMW Sauber (+)48.1
11º Heikki Kovalainen McLaren Mercedes (+)52.7
12º Kimi Räikkönen Ferrari (+)54.3
13º Kazuki Nakajima Williams Toyota (+)59.8
14º Fernando Alonso Renault (+)69.6
15º Vitantonio Luizzi Force India Mercedes (+)94.4
16º Giancarlo Fisichella Ferrari (+)1 Lap
17º Adrian Sutil Force India Mercedes (+)1 Lap
18º Romain Grosjean Renault (+)1 Lap
19º Lewis Hamilton McLaren Mercedes Out
20º Jaime Alguersuari STR Ferrari Out

GP de Abu Dhabi – mais um ‘palco’ para o ‘show’ (prévia)

Amanhã finalmente começa a ação na mais nova pista do calendário da Fórmula 1, o impressionante circuito de Yas Marina. Keith Collantine publicou em seu blog novas fotos da pista, e não foi surpresa ver que a maioria delas retratam o magnífico hotel no meio do autódromo ou as arquibancadas, enquanto poucas (se algumas) mostram novos ângulos do traçado.

Queremos ver o traçado ou um hotel que muda de cor?

Queremos ver um bom traçado ou um hotel que muda de cor?

A pista é, de fato, uma obra prima da engenharia e arquitetura. A ALDAR Properties, construtora líder nos Emirados Árabes Unidos, anunciou investimentos de mais de 72 bilhões de dolares nos próximos anos na ilha, visíveis na magnitude da estrutura, mas o layout da pista, o que realmente interessa, ainda é um típico Tilkedromo: chicane, reta pequena, hairpin, reta absurdamente longa, hairpin, reta absurdamente longa de novo, curvas quadradas, etc…

Porém, de todas as pistas do arquiteto alemão, esta parece que não será a pior, graças às “perfumarias” inéditas na categoria, como o hotel mega-luxuoso da foto que ilustra este post, ou a noite que cairá durante a corrida – pode não ser nada lógico do ponto de vista ambientalista, mas que será um espetáculo a parte, será!

Mas eu, infelizmente, não espero mais nada de Yas Marina além de ser mais um “palco” para o “show” da Fórmula 1 sedenta por entretenimento de massa. Espero que eu esteja errado…

Sendo uma pista nova, fica difícil prever um favorito, restando a nós basearmos nossos achismos em cima das performances relativas que presenciamos em pistas parecidas, mas o consenso geral é de que a McLaren (leia-se Lewis Hamilton) é franca favorita à vitória, com a Red Bull, Brawn e Ferrari (leia-se Kimi Räikkönen) disputando as outras posições mais altas.

Preste atenção durante a corrida em:

Red Bull: o time de Milton Keynes vem de duas vitórias seguidas, mas, apesar de serem configurações de pista totalmente diferentes, o RB5 deve vir forte também para Yas Marina – o quarto lugar de Vettel em Cingapura mostra que o carro também pode ser competitivo em pistas de curvas fechadas.

McLaren x Ferrari: dois gigantes do esporte relegados a disputar a terceira posição nos construtores. A equipe inglesa tem tudo para vencer os italianos nessa disputa: um carro mais desenvolvido, um ponto de vantagem na tabela e dois pilotos familiarizados com o carro.

O engraçado desta disputa é que a Ferrari já desistiu do campeonato faz tempo – o F60 foi abandonado em meados de julho, enquanto o MP4/24 foi desenvolvido até o final de setembro. Como se não bastasse, os rossos têm apenas um piloto (que vem fazendo um trabalho soberbo) desde o acidente de Massa na Hungria.

Agora imagine que este handicap para a Ferrari não existisse: com certeza os prateados só veriam a Ferrari quando eles parassem nos boxes, e provavelmente com o terceiro lugar garantido mesmo antes de Abu Dhabi.

Hamilton x Räikkönen: nem Button, nem Barrichello, nem Vettel e nem Webber. Os melhores deste ano foram, sem dúvidas, Hamilton e Räikkönen. Os dois mostraram diversas vezes do que verdadeiros campeões são feitos, mesmo com carros muito aquém de seus talentos. Carros estes que hoje nos possibilitam vê-los batalhando apenas pelo quinto lugar no campeonato. O inglês é favorito, tendo o finlandês de marcar dois pontos a mais que Hamilton para garantir esta posição à frente, que provavelmente garantirá também o terceiro lugar nos construtores de suas equipes.

Barrichello x Vettel: mesmo que o jovem alemão diga que “o segundo é o primeiro perdedor”, duvido que ele gostaria de perder esta para Barrichello. Com Button campeão, o time se volta inteiramente para selar um ano perfeito com Barrichello em segundo lugar, mas a visível decadência do BPG 001 pode atrapalhar os planos da equipe.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.