Início > Analises > Sayounara

Sayounara

Dizem que dinheiro não compra amor… e pelo jeito também não compra vitórias na Fórmula 1. Ontem, em Tokyo (ou Tóquio, como preferirem), outra gigante da indústria automobilística, a Toyota, anunciou que terminará seus investimentos na categoria, com efeito imediato, se tornando a quarta mega-empresa a deixar o esporte em menos de 1 ano. Coincidência ou não, três delas são japonesas.

Toyota

Toyota: muito dinheiro e resultados aquém do esperado

Já não era segredo – o time ameaçava abandonar o barco há pelo menos uns três anos – e sinais deste destino não foram poucos: anuncio do primeiro balanço negativo no ano passado, indefinição dos pilotos para 2010, rescisão do contrato de fornecimento de motores com a Williams, nenhuma noticia sobre o “TF110”, resultados fracos comparados aos objetivos traçados para este anos.

Em oito anos na categoria máxima, a equipe foi a que mais gastou, seguramente ultrapassando a marca dos 3 bilhões de dólares. E se traçarmos um paralelo com os resultados obtidos, veremos que a equipe nipônica fez um trabalho vergonhoso, indigno do orçamento que tinha. Foram 139 GPs disputados, nenhuma vitória, 3 pole-positions, 278.5 pontos, 13 pódios, 3 voltas mais rápidas e insignificantes 66 voltas na liderança, tendo o melhor resultado nos construtores o 4º lugar em 2005.

Como desculpa, eles deram a mais óbvia: a perdas causadas pela crise mundial, mas será só isso?

Os resultados foram ruins. Demorou até 2005 para que a equipe ameaçasse disputar por uma vitória, quando conseguiu 3 pódios nas 3 primeiras corridas, mas a velocidade de desenvolvimento do carro era pequena, e isso significou que a Renault e a McLaren puderam disparar no campeonato. Quando a Honda assumiu a BAR em 2006, ficou ainda pior. Herdando um pouco da boa performance do time ao qual fornecia motores, e tendo em Rubens Barrichello e Jenson Button uma dupla de pilotos muito mais forte que Jarno Trulli e Ralf Schumacher, a Honda dominou sua concorrente do ramo automobilístico.

Talvez o que mantinha a Toyota na Fórmula 1 era o marketing que trazia a disputa com a rival. Mas com a saída da equipe ao final de 2008, sobrou para a Toyota disputar contra quem? Entre os dois maiores mercados da montadora (Estados Unidos e Japão), não havia nenhuma outra equipe. Competir contra BMW e Renault não trazia a mesma imagem, e mesmo assim não foram capazes de batê-los.

Mas montadoras vêm e vão de acordo com a vontade (e a profundidade dos bolsos) de seus dirigentes. Se a empresa estiver em uma boa época de vendas, ela vai precisar da Fórmula 1 para promover sua marca e aprimorar suas plataformas. Foi assim com a Mercedes, BMW, Renault e Honda, logo não seria uma surpresa ver a Toyota novamente na Fórmula 1… com um orçamento monstruoso, é claro.

Então, deveria o “sayounara” ser substituído por abayo?

Anúncios
  1. João Anderson
    06/11/2009 às 12:49

    E o Kamui Kobayashi? =~~

    • 06/11/2009 às 14:13

      Está em conversas com a Fake Lotus com apoio da Toyota. Ele vai correr ano que vem, pode ter certeza.

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: