Arquivo

Archive for the ‘Bang Your Heads’ Category

Bang Your Heads: Dream Theater

Apesar de ser bem famosa, admito que comecei a ouvir há pouco tempo (não ouvia antes por pura falta de interesse) e conheço muito pouco. Por isso até acho que a música que vou postar é das mais pops, mas mesmo assim agradou muito aos meus ouvidos na primeira vez que ouvi.

Com vocês, Panic Attack.

Anúncios
Categorias:Bang Your Heads Tags:

Bang Your Heads: Cynic

Não são muitos os que conhecem esta banda, formada em Miami, na Flórida. Seus dois integrantes mais conhecidos são Paul Masvidal (guitarra e vocais) e Sean Reinert (bateria), mas mais por seus trabalhos com o Death do que com o próprio Cynic. O que é uma pena, pois as poucas músicas da banda são obras de arte.

O som da banda era, no início, um Death Metal mais tradicional, mas ainda no início dos anos 90 o estilo musical da banda mudou para um Metal Progressivo experimental, altamente complexo e extremamente técnico, com grande influencia no jazz.

Assistam abaixo Textures, do primeiro álbum da banda.

Música de primeira qualidade. Tão boa que poucos conseguem compreender (prova disso é o “entusiasmo” da platéia…).

Categorias:Bang Your Heads Tags:

Bang Your Heads: Control Denied

Diazinho meio devagar hoje… não estou afim de falar sobre do próximo escandalo político que se aproxima na Fórmula 1, e a Silly Season está tão forte que fica difícil formular alguma previsão… Então vamos ouvir música!

Essa vai especialmente para um amigo que reclamou quando não lhe dei os devidos créditos no primeiro post da série, então aqui vai: agradecimentos ao João Anderson por ter me apresentado a banda e o estilo.

Agora coloquem seus fones de ouvido e apreciem a criação de um gênio. Seu nome? Chuck Schuldiner. O Control Denied, para quem não conhece, era considerado um projeto paralelo à banda principal de Chuck, Death. Mas o próprio Chuck Schuldiner negava, dizendo que não haviam projetos paralelos: o Control Denied tinha a mesma importância que sua banda mais famosa.

Lançado em 1999, o álbum The Fragile Art of Existence contava com Richard Christy na bateria e Shannon Hamn na guitarra, os dois tendo gravado também o álbum The Sound of Perseverance (1998) com o Death. Também contava com a participação da lenda Steve DiGiorgio (cliquem no link e vejam sua extensa discografia) no baixo. Ao contrario do Death, Chuck não cantava nas músicas do Control Denied, restringindo-se apenas à guitarra, sendo Tim Aymar o vocalista.

O objetivo da banda, segundo Chuck, era poder introduzir aspectos mais progressivos e melódicos ao estilo Death Metal, que não era possível na banda Death. O resultado é este: a combinação perfeita entre a complexidade musical e uma melodia agradável, coisa que Chuck sabia fazer como ninguém. Apertem no play e ouçam When the Link Becomes Missing.

Chuck já havia composto e gravado parte das músicas para o segundo álbum da banda, When Machine and Man Collide, mas a morte precoce de Charles Schuldiner, aos 34 anos, vítima de um raro tipo de câncer no cérebro, pôs a gravação do álbum em espera. Espera que já dura 8 anos…

Bang Your Heads: Opeth

Eu realmente não sei se esta categoria aqui no blog está agradando alguém (fora o João, mas ele com certeza vai conhecer tudo o que eu postar aqui), mas continuarei com ela, de qualquer forma…

Trago hoje a banda suéca Opeth, formada em 1990 por Mikael Åkerfeldt. Estilo? Sei lá, pode ser qualquer um que sua criatividade conseguir imaginar. Alguns chamam de Death Metal. Mas outros dizem que os elementos progressivos, breaks e durações pitorescas das músicas (algumas com mais de 13 minutos!) podem lhe caracterizar como Metal Progressivo. Então, para agradar as duas partes, chamam a banda de “Progressive Death Metal” (!!). Mas há quem discorde, dizendo que a banda é agressiva demais para ser simplesmente Progressive Death Metal, então eles chamam de “Extreme Progressive Death Metal” (!!!!). Vai entender…

Na minha opinião, é Death Metal e ponto final!

Com vocês, Karma, do álbum My Arms, Your Hearse.

Guilherme

Categorias:Bang Your Heads Tags:

Bang Your Heads: Megadeth

Para “relaxar” ao final de um dia.

Megadeth, tocando The Killing Road ao vivo em 1995, com direito a vocais de Pato Donald por Dave Mustaine e cabeleira no estilo Maria Betânia por Marty Friedman.

“Lost my mind, lost all my money
I lost my life to the killing road”

Brincadeiras a parte, é uma das bandas mais marcantes para mim. Sou fã de carteirinha, e foi ouvindo esta música, quatro anos atrás, que eu conheci esta banda. Meu gosto musical tomou outro rumo desde então.

Guilherme

Categorias:Bang Your Heads Tags:

Bang your heads: Quo Vadis

Começo aqui uma nova categoria no blog, e não, não tem nada haver com Fórmula 1. Tem sim haver com minha outra paixão: música.

Meu gosto musical é, na escala de popularidade, um dos mais desconhecidos e desprezados pela massa acéfala da nossa Nação, as vezes até ridicularizado pela mainstream media, nos retratando como idiotas, bebados, arruaceiros e burros. Não obstante, tem o grupo de fãs mais sólido entre todos os estilos musicais, possiundo um cenário fortíssimo mundo a fora, tanto de bandas undergrounds quanto populares. Estou falando do Heavy Metal (e suas variações) e seus ouvintes, os headbangers.

Portanto, tenho certeza de que vou desagradar mais do que agradar com essa nova categoria aqui no blog, que na verdade é apenas uma pausa de quem as vezes quer escrever alguma coisa qualquer, não necessariamente sobre Fórmula 1.

Para começar, trago a vocês uma banda canadense chamada Quo Vadis (não confundam com a banda polonesa de mesmo nome), que toca um estilo que alguns gostam de chamar de “Death Metal Técnico”. Aproveitem que é só audio e fechem seus olhos. Prestem atenção na melodia das guitarras e como a música fala por sí própria de acordo com sua intensidade. Reparem na complexidade das levadas de bateria proporcionadas por Yanic Bercier e no poder do vocal e das guitarras de Arie Itman e Bart Frydrychowicz. Uma construção musical tão complexa e bonita quanto as sinfonias compostas pelos grandes nomes do passado. Enfim, uma verdadeira obra de arte.

Com vocês, On The Shores of Ithaka

Como diz meu amigo Elvis, “é uma sinfonia de duas guitarras guiadas pelo mestre da bateria.”

Mesmo aqueles que não gostam de Metal devem reconhecer: eles tocam muito!

Guilherme

Categorias:Bang Your Heads Tags: